Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

21 de fev de 2010

AUSÊNCIA E MERGULHO



De repente
estancava a sangria desenfreada.

Veias e nervos
desabrochavam em seus lugares.

Meia ave pousava
em meu sangue
e eu resistia a todo custo.

Barranco e calabouço
anularam minha euforia
para que eu testemunhasse
contra meu agridoce aborrecimento
e minha ternura desfalecida.

De repente
eu vinha à tona
e retornava inseguro
para os labirintos profundos.



José Maria de Vilar Ferreira
Do livro “O Arco e a Flecha” (2006)

Nenhum comentário:

Postar um comentário