Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

22 de fev de 2010

COMO ILHA, PARA ÁGUA


me dás de vestir.
como água mal acomodada pelas arestas de tuas
fincadas impossibilidades, eu escapo para um lugar
ao longe. e és tu, terra frutífera, bendito chão, que
me segues. te manténs irrigado em sumos
desapossados de mim
como memória de desmanches insulares para a
tua superfície áspera
despachas partículas de terra e hábito à minha
campanha, teu amor e hábito é que me seguem.
moves uma ilha sob os meus passeios, constante
que é o teu amor ou costume no meu toque
essencial. tuas amadas partículas, que me ceguem.


Élida Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário