Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

22 de fev de 2010

o vento inda soletra um nome


assombra-me a casa sobre o sal.
acaso moras aqui comigo?
teu seio/sol enfrente o mar remoto.
enfrentas maremotos e
espumosa te desdobras
em itinerário para peixes.
o vento inda soletra um nome
enquanto a lança me rasga
as águas e arde e some
a velha águia não se cansa e
na planura revê penas e perdas.
EU repouso ossos de areia
em negros túmulos de pedra
sem alarde, em mim TUdo arde.


Paulo Vieira,
do livro “Orquídeas Anarquistas”,

Nenhum comentário:

Postar um comentário