Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

22 de fev de 2010


trama

deves tramar o poema
enquanto há sereno
e teu relógio líquido
se derrama
nas ramagens da campânula
deves ouvir os passos
saber a imagem
da mulher te seguindo
(seus braços de treva
erguendo a foice minguante
sobre tua cabeça)
deves sentir o sangue
derramado ao pé do cipreste
deves tramar o poema
&
nadar
(contracorrente)
enquanto o coração não entende
as rodas dágua atropelando peixes
no marnoturno
deves tomar de minhas mãos
este cálice devastado
e na fronteira
entre
o meu e o teu
país
deves erguer
uma fogueira



Paulo Vieira,
do livro “Orquídeas Anarquistas”

Nenhum comentário:

Postar um comentário