Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

21 de fev de 2010

NA VIGÍLIA QUE ENGENDRO NESSAS FOLHAS


Faz tanto tempo, faz um século, faz sol, faz um verão. Na vigília
que engendro nessas folhas há galerias subterrâneas e encontro
a cada passo um sonhador que acredita na saída desse túnel.
Fantasmas do meu quarto, sombras que todas as noites assistem
ao acender das estrelas desse túnel. Cárcere dourado onde prendi
meus dentes, a língua estranha e até mesmo um transatlântico de
papel. Lições de continentes, luz desvelada entre musgos de um
minúsculo jardim, folhas feito céu por sobre a minha cabeça.

E este furor que me impele para as Índias sem soltar a âncora que
me prende os pés à casa. Fantástico navegar por entre manguei-
ras neste verão que só eu vejo anunciado por luas tão perfeitas.
Mas não tenho cântaro e o caminho da fonte está perdido. Sobram
as asas que não se abrem nessa queda.



Maria Lúcia Medeiros,
do livro “Quarto de Hora, 1994

Nenhum comentário:

Postar um comentário