Este blog contém alguns poemas publicados na Agenda da Semana do site Cultura Pará.
www.culturapara.art.br

24 de fev de 2010

 RASURAS


Meu nome é um rio
Meu nome é um rio que perdeu seu nome
                                                                         Um rio
nem sim
nem não
               Nenhum
                              Somenos correnteza
                              Água masturbada Em vaus
                                                                         peraus
                              em po
                                        luído orgasmo entre varizes
                              Sêmen sem mim
                                                          Mesmice
Onde está meu nome Lá neste rio de lama sem memória e
                                                                        rumo?
Neste amarfanhado leito de inchada falha?
Meu nome é um rio cotoco - um Ícone
                                                         De barro
                                                                  barroco
Um rio que só se-diz
                                      Seduz-se
                                                         Se afaga e afoga
em ego e água: Aquário
Meu nome é um rio tapado
                                       (poço)
                           E aqui se quebrantou meu nome
                                           sua viagem e osso
É esta a sua fissura? E o seu rosto é este
                                                              escuro
atrás da porta
                    espelho
exposto à febre
                         à fera de si mesmo?
                                                Ensimesmado
meu nome é um rio que não tem cura



Max Martins
   do livro "O Risco Subscrito"

Nenhum comentário:

Postar um comentário